Você se pergunta porque os povos do mundo estâo em guerra em busca de seus direitos. Povos, raças, grupos de todos os matizes, todos estâo lutando com unhas e dentes por seus direitos.

Em 1964 um ministro norte americano, William Branham, chegou a uma conclusâo, na qual esta midia concorda: as cartas em apocalipse (2-3) às Igrejas da Ásia eram proféticas e se referiam a períodos de tempo pelo qual a igreja passaria e segundo o ministro, a ultima carta, a de Laodicéia, representaria esta era moderna na qual vivemos.

Quando vocês veem o povo nas ruas, manifestando-se, lembre-se - estamos vivendo a ultima era da igreja: Era de Laodiceia, que significa a Era dos Direitos dos Povos

Arquivo do blog


Russia Versus Israel

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Suiá Missú: Produtores do Posto da Mata resistem, vizinhos chegam para ajudar

Nesta terca-feira nao houve relato de novas violencias contra os moradores do Posto da Mata (Nordeste do Mato Grosso, regiao do Alto Araguaia). O Posto da Mata e' o epicentro dos conflitos de desapropriacao da area da Suia'-Missu, determinado pela Justica federal. A tensao continua, pois a PF e a Forca Nacional ainda nao se desmobilizaram, e nao houve nenhuma ordem vinda de Brasilia para que a cesse a desocupacao da vila de produtores rurais. A paz momentanea foi conseguida depois da resistencia dos moradores e dos episodios violentos por parte dos soldados da Forca Nacional na segunda-feira. Moradores da vizinhanca (Ribeirao Cascalheira,Querencia e Canarana) estao se mobilizando para entrar no Posto da Mata, e ali se juntarem aos moradores da localidade na resistencia contra as forcas policiais. No Posto da Mata residem mais de 7 mil pessoas, que deverao ser desalojadas de suas casas para que a area seja entregue a um grupo de Xavantes. A área em questão foi reconhecida pela Justiça Federal como propriedade dos índios da etnia Xavante, porém, a população local tenta provar que é proprietária legal do que possui na região h'a mais de 30 anos. Entretanto, mais de 900 mandados de desintrusão já foram determinados judicialmente por meio de uma execução provisória de sentença. A situação ficou mais tensa no povoado quando, nesta segunda-feira (10), mais de 40 pessoas ficaram feridas durante o conflito com as forcas policiais, entre elas mulheres e crianças. Há produtores que afirmam estar "dispostos a morrer por suas terras". Ainda nesta segunda, uma garota de 12 anos tentou se suicidar ingerindo agrotóxicos. A menina escreveu um bilhete dizendo que “se precisasse alguém morrer para sensibilizar as autoridades, ela faria isso pela comunidade”, segundo relatou Carlos Fávaro, presidente da Aprosoja Mato Grosso. A garota foi rapidamente socorrida, não chegou a tomar o veneno e está internada. A resistência continua pois, como relatam os produtores rurais, o governo não apresenta um plano de desocupação como vinha sendo prometido. "A irresponsabilidade de quem está operando isso é muito grande. Nós tentamos o diálogo várias vezes, pedimos a eles um plano de desocupação que desde o início disseram que teria, mas nunca nos apresentaram, então, estamos aqui à deriva", diz Sebastião Prado, produtor rural de São Félix do Araguaia. Sebastiao Prado disse ainda que há mais de 90 dias o governador do estado do Mato Grosso, Silval Barbosa, tenta uma reunião com a presidente Dilma Rousseff, porém, sem resposta. "Nós tivemos uma reunião na Secretaria Geral da Presidência da República e o ministro Gilberto Carvalho garantiu que se houvesse fraude nessa demarcação, iríamos voltar à estaca zero, pediu 15 dias para resolver essa situação, os 15 dias venceram no último dia 20 e ele nunca nos deu uma resposta". Clique no link abaixo e veja a entrevista de Sebastião Prado ao Notícias Agrícolas: >> Sebastião Prado - Produtor Rural de São Félix do Araguaia Segundo Luiz Alfredo de Abreu, advogado da Associação dos Produtores Suiá Missu, essa ação de desocupação na gleba Suiá Missu é irregular, já que a Funai (Fundação Nacional do Índio) não prestou caução, que é a cautela contra um dano provável, e não foi feito o inventário dos bens das famílias que residem na área. "A fraude da Funai foi denunciada pelos próprios Xavantes. Houve um deslocamento vergonhoso da verdadeira terra para a área de conflito, uma vez que a terra ocupada em tempos remotos pelos Xavantes foram desapropriadas pelo Incra", diz Abreu. Segundo explica o advogado, essa situação de irregularidade é comprovada pela denúncia dos Xavantes e cerca de mais de 500 índios ingressaram nos autos após o julgamento da prática da Funai. Abreu afirma ainda que as decisões judiciais permitem recurso especial e extraordinário, uma vez que não foram ainda transitadas em julgado. Veja a entrevista de Luiz Alfredo de Abreu: >> Luiz Alfredo de Abreu - Advogado da Associação dos Produtores Suiá Missu Índios e produtores do mesmo lado - Entretanto, apesar dessa situação ainda muito tensa e de informações desencontradas, índios e produtores rurais estão lutando do mesmo lado. Em São Félix do Araguaia há 180 caciques da etnia Xavante ao lado dos moradores locais mostrando que não têm interesse nas terras da gleba Suiá Missu. Em entrevista ao Notícias Agrícolas, o Cacique Pajé dos Xavantes, Zé Luiz, declarou que o que seu povo pede é uma área no cerrado. "Eu estou ajudando o povo do Posto da Mata. A terra que nós estamos querendo é a terra da Aldeia Velha, no Cerrado, porque dentro da mata virgem nunca fizemos aldeia", disse Zé Luiz. Segundo Sebastião Prado, cerca de 85% da etnia dos Xavantes estão do lado dos produtores em São Félix do Araguaia. >> Zé Luiz - Cacique Pajé dos Xavantes População Local - E não são só índios e produtores rurais que sofrem com o confronto, mas toda a população local. Segundo relatou Roberto Soares da Silva, comerciante em São Felix, todos possuem documentos oficias que provam a legalidade de suas terras e, por conta disso, a resistência deverá continuar. Silva é dono de um posto de gasolina e tem até o dia 17 de dezembro, próxima segunda-feira, para desocupar a área e deixar para trás um investimento de mais de R$ 2 milhões. "Não se fala em indenização, o que para tirar, se tira, o que não der, não tira. O que eu vou fazer com uma cobertura de lata, um tanque de gasolina, eu vou fazer o que dá vida? Infelizmente, é reagir. Nós vamos resistir até as últimas consequências", diz o comerciante. Veja o depoimento de Silva: >> Roberto Soares da Silva - comerciante em São Felix do Araguaia Mobilização - Uma mobilização foi marcada para a próxima sexta-feira, 14 de dezembro, no povoado de Posto da Mata, a partir das 14h, quando acontece um ato ecumênico. O movimento deverá reunir produtores de todo o estado do Mato Grosso para apoiar os moradores de Suiá Missu intimados a deixar suas terras. Confira mais informações na entrevista de Marcos da Rosa: >> Marcos da Rosa - Produtor Rural Fonte: Notícias Agrícolas // Carla Mendes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...